Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

TV, Filmes e Séries

Resenha | SPECIAL: Primeira Temporada | Gay, com Paralisia Cerebral e pronto para o mundo

Ryan decide parar de ver a paralisia cerebral como um obstaculo e decide abraçar o mundo em uma divertida jornada no mundo gay

Compartilhe!

Dando um grande passo em representatividade, a Netflix nos apresenta Special, uma série sobre um homem gay com paralisia cerebral, que enfrenta sua deficiência juntamente à sua decisão de explorar a vida adulta.

Após o sucesso de “Atypical”, série que conta a história de um jovem com autismo, ficamos ansiosos para novas abordagens com esse toque diferenciado: retratar pessoas especiais em uma série de comédia. Com o anúncio de Special observamos um passo maior ainda, a inclusão LGBT em pautas que envolvem pessoas com deficiência.

A série é inspirada no “Livro de memórias em que eu sou especial: E outras mentiras que contamos a nós” por Ryan O’Connell, que estrela a série como o não tão jovem Ryan, uma versão ficcional de si mesmo, além de escrever e dirigi-la. Um adulto de 28 que convive com a homossexualidade e sua paralisia cerebral, que não seriam grandes problemas caso não vivesse sobre os cuidados super protetores de sua mãe, Karen.

>  RuPaul, Drew Barrymore e Faith Hill serão jurados em novo reality show
>  Animação "Super Drags" vem aí!

Se você espera uma comédia/drama sobre as dificuldades em se encaixar na sociedade, sendo um pobre gay com “PC” (como a condição é carinhosamente chamada na série), você se surpreenderá com uma leve e utópica comédia. Sua sexualidade não é um problema para a família, muito menos em seu trabalho, por estar em uma condição leve da PC seus desafios são muito mais corriqueiros que dramáticos e a série aproveita muito bem isso para fazer comédia, mostrando pequenas batalhas como abrir correspondências e amarrar os sapatos. A fórmula adotada leva todas essas questões para lados fáceis de serem contados, uma vez que apresentadas e absorvidas de forma orgânica para a audiência, e tudo em oito episódios curtíssimos de quinze minutos, tornando a série “maratonavel” em apenas uma manhã. Mas, por outro lado, impossibilita um mergulho em assuntos interessantes, como o aprofundamento da sexualidade e a motivação do personagem principal e muitas vezes sentimos que certos temas pairam sob o ar e poderiam ser melhor explorados na trama.

De certa forma, o melhor desenvolvimento da série não foi nem a homossexualidade e nem os desafios diários de uma pessoa com PC, a grande estrela foi a forma como retrataram a proteção que a família e os amigos têm, a necessidade de ajudar alguém que busca independem cia. O arco de Karen, mãe do protagonista, é de longe o melhor, solteira e empenhada à ajudar seu filho em tudo a enfermeira (profissão que reforça o arquétipo de cuidadora) deixa de viver sua vida para criar seu filho, porém, a zelosa mãe esquece de viver sua vida e vê na mudança de vida de Ryan uma oportunidade para se descobrir no mundo.

>  As heroínas desconhecidos de ‘A Star Is Born’ são as drag queens
>  POSE | Conheça o incrível elenco inclusivo da série

Enquanto os pontos fortes da série, temos a brilhante atuação de Jessica Hetch, como a já citada Karen, que aproveita cada cena para dar um show em nuances emocionais de forma natural, a atriz ainda usa de algumas janelas na narrativa e demonstra seu exímio timing para comédia. Outros personagens mais secundários também roubam a cena, como a divertida Kim, blogueira que escreve sobre aceitação do corpo feminino e a chefe má Olivia, um grande clichê das comédias que é super bem aproveitado em Special com piadas visuais e uma personalidade estridente que acompanha uma leve crítica ao mundo editorial moderno que explora a vida pessoal das pessoas para aproveitar da identificação e solidariedade do público.

Special é uma série divertida, sem muito compromisso em emocionar ou causa impacto com seus assuntos. A série possui grandes acertos que renderam comoção e risadas, como a cativante cena de sexo e os arcos familiares. Porém a sensação que ficamos é que a história não foi para lugar algum, o protagonista não passa por grandes provações e resolve a maioria de seus conflitos com facilidade, com isso fica mais fácil se identificar com personagens mais carismáticos que a série apresentou, mesmo compreendendo o tom e a proposta mais leve, que busca não problematizar tanto o personagem, existem feridas que precisavam ser “cutucadas” para enriquecer a série.

Com sua história leve e divertida, Special alcança a marca de 3,5 coroas e é uma grande aposta para uma maratona de comédia.

Leia mais resenhas aqui.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja também

AfroNerd

Noughts and Crosses, uma série racista que não vale a pena assistir!

AfroNerd

Em Blood And Water temos dois personagens super interessantes Wade e KB. Adivinha quem é que a maioria dos expectadores já está morrendo de...

Destaque

Drag Race UK dividiu a opinião dos fãs, enquanto uns acharam a série fraca, outros amaram. Aqui está meu veredito final da primeira temporada!

TV, Filmes e Séries

A democracia brasileira tão precoce em sua existência mais uma vez segue ameaçada.

Propaganda

Portal de entretenimento sobre cultura pop: celebridades, música, cinema e muito mais.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.