Conecte-se conosco

Hi, what are you looking for?

HQ e Livros

Literatura LGBT jovem e adulta no Brasil

Conheça um pouco da Literatura LGBTQ+ que está sendo produzida no Brasil. Há livros para todos os gostos!

Compartilhe!

O último fim de semana na Bienal do Livro no Rio de Janeiro (06, 07 e 08 de setembro) foi bem agitado. Na noite de quinta-feira, o prefeito da cidade, Marcelo Crivella, postou um vídeo retratando uma página de uma história em quadrinhos da Marvel, “Vingadores: A cruzada das crianças”, e ameaçou a editora de censura. A internet não deixou barato e começou a fomentar o movimento #CensuraNuncaMais e #LeiaComOrgulho.

Contrariando toda a democracia e pluralidade do país, o prefeito enviou fiscais até a Bienal do Livro para averiguar e recolher livros com conteúdo LGBTQ+. A desculpa? Proteger as crianças. A atitude foi respondida pelo youtuber Felipe Neto, que comprou o estoque de livros LGBTQ+ de diversas editoras, chegando ao número de 14 mil cópias, que foram distribuídas gratuitamente no evento. Os livros estavam envoltos em um saco preto com a frase “Este livro é impróprio para pessoas atrasadas, retrógradas e preconceituosas”.

Com tudo isso que aconteceu, convidamos o Rodolpho Carvalho para falar um pouco da Literatura LGBTQ+ que está sendo produzida no Brasil. E tem livros para todos os gostos. A seguir conheça alguns dos autores nacionais e suas obras, com direito a links para acessar seus livros.

>  Street Queens: através de financiamento coletivo, livro une Street Art e Drag Queens
>  Cardi B patenteia “okurrr” e gera revolta

Vitor Martins

Não tem como começar um texto sobre literatura LGBTQ+ no Brasil sem falar do Vitor Martins. Provavelmente é o maior nome atual do gênero jovem adulto (ou YA, sigla para Young Adult) em nosso país. Seu primeiro livro, Quinze Dias, foi publicado pela Globo ALT, um selo da Editora Globo que é cheio de representatividade. Tem pessoas gordas, bi, lésbicas, gays…

Já o segundo livro, Um milhão de finais felizes, teve seu estoque esgotado no dia 07 de setembro na Bienal do Livro no Rio de Janeiro. Vitor é superacessível em suas redes sociais e também é um desenhista de mão cheia. Se você está começando a ler agora, recomendo começar pelo Vitor. Para pessoas um pouco mais velhas que nem eu, tem o conto exclusivamente digital Jonas. Se você não chorar, vai precisar ler de novo.

O twitter de Vitor é: @vitormrtns.

Quinze Dias pode ser adquirido aqui. E Um milhão de finais felizes aqui.

Lucas Rocha

O Lucas só tem um livro publicado até agora. Você tem a vida inteira conta a história de Henrique, Ian e Vitor. Dois deles são diagnosticados como HIV+. Se você gosta de Drag, você vai gostar de Você tem a vida inteira.

Aliás, o livro do Lucas é um daqueles que você lê de uma vez só. Você consegue acompanhar a história dos três como se fossem seus melhores amigos.Lucas é bibliotecário e sabe bem como fazer uma história ser bem contada. O livro será publicado em 2020 pela Push nos Estados Unidos como Where We Go From Here. Quem tá importando agora é a gente, monamour.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O twitter de Lucas é: @lucasdlrocha.

Você tem a vida inteira pode ser adquirido aqui.

 

>  Os Balls dos Anos 20 e o Harlem Renaissance
>  RuGirls e artistas internacionais se posicionam contra Bolsonaro #EleNão

Juan Jullian

Querido ex, é um dos melhores livros que eu já li em toda a minha vida. O final dele é surpreendente. Se você gosta de ler as últimas páginas do livro antes de começar a leitura, NÃO LEIA.

Se você gosta de música pop e de Taylor Swift, você está no lugar certo! (Viu, Juan, sua reputação te persegue). Foi o primeiro livro escrito por ele e, antes de sair pela Editora Transversal, foi auto publicado na loja virtual da Amazon. Segundo Juan, o que inspirou a história foi seu ex-namorado. Lembra do Vitor Martins ali em cima? A capa de Querido Ex, foi feita pelo Vitor!

O twitter de Juan é: @juanjullian_.

Querido Ex pode ser adquirido aqui.

Milly Lacombe 

Jornalista. Escritora. Roteirista. Foi comentarista esportiva na SporTV e RecordTV. Tem uma coluna na revista TPM e Trip. Trabalhou no programa Amor & Sexo da Rede Globo. E tem um livro maravilhoso chamado O ano em que morri em Nova York.

Seu trabalho é voltado para o público adulto, portanto, tem menos referências a cultura pop do que os anteriores. Além disso, é pautado com itens autobiográficos e que nos fazem pensar no que estamos fazendo com nossa vida. Se você não parar para meditar o Hooponopono depois que terminar O ano em que morri, eu te recomendo que faça isso agora.

O twitter de Milly é: @millylacombe.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O ano em que morri em Nova York pode ser adquirido aqui.

>  A Revolta de Stonewall

>  40% dos gays e bissexuais querem filtro de raça nos app de relacionamento
 

Olivia Pilar

Olívia é escritora, jornalista e pós-graduada em Marketing Digital pela PUC-MG e mestranda em Comunicação pela UFMG.

Olívia tem diversos contos publicados na Amazon e está na coletânea Formas Reais de Amar, e o que eu mais gosto de todos os textos escritos por ela é : Pétala. Dá um calorzinho no coração tão bom que a gente tem vontade de ler de novo e de novo. A Olívia também está na coletânea Qualquer clichê de amor – afinal de contas, todos nós precisamos de um, não é?

O twitter de Olivia é: @oliviapilar.

Pétala pode ser adquirido aqui. 

Delson Neto

Sucesso no Wattpad, o primeiro livro do Delson foi lançado em uma edição definitiva pela Plutão Livros.

O livro Diário Simulado é um cyberpunk que conseguiu ganhar prêmios na plataforma Wattpad e fãs por todos os lugares que passa. Além disso, Delson também criou um universo expandido para o mundo de Shura, inclusive com um conto que está na antologia Orgulho de Ser, da Rico Editora.

O twitter de Delson é: @delsices.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Diário Simulado pode ser adquirido aqui.

>  Stan Lee, criador dos heróis da Marvel, morre aos 95 anos

>  Victoria’s Secret não quer mulheres trans ou gordas desfilando para a marca
 

Clara Alves

Clara é jornalista formada pela UFRJ e também venceu um prêmio no Wattpad, a plataforma literária gratuita.

Seu primeiro livro por uma editora grande, Conectadas, também é cheio de referências à cultura pop, o mundo dos games, corações partidos e com uma história de aquecer o coração.

O twitter de Clara é @altaexposicao.

Conectadas pode ser adquirido aqui

Rodolpho Carvalho

Te convido a conhecer meus livros: Um respingo de tinta, que conta a história de Amy e Bianca; A torre, o cálice e a tempestade, com diversos contos em diversos gêneros e, por fim, Do outro lado da linha, que, infelizmente, é com um casal hetero! Mas a história é boa, eu juro!

Um respingo de tinta pode ser adquirido aqui. E A torre, o cálice e a tempestade aqui.

Há muito mais livros por aí com muitos outros autores. No mais, eu recomendo que caso você queira se manter antenado a esse universo a partir de agora, siga a Agência Página 7 (@agenciapag7), que tem um catálogo de autores brasileiros em seu cast, sendo que todos eles são plurais. Há uma lista de livros disponíveis no Kindle Unlimited, a plataforma da Amazon, para você conhecer um pouco mais da literatura jovem brasileira, para acessá-la clique aqui.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Matéria produzida por Rodolpho Carvalho, o sigam no twitter em @rodcrvl.

>  Grindr alerta usuários brasileiros para redobrarem segurança após eleições

PODCAST

Recentemente lançamos um podcast especial intitulado LGBTS na Literatura. Neste programa conversamos sobre o livro “Reconstruindo Amora”, da Giulianna Palumbo, e sobre a representatividade LGBT na literatura. Para ouvi-lo basta acesse aqui.

Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe uma resposta

Veja também

AfroNerd

No início do século XX, uma subcultura homoafetiva começou a tomar forma nas ruas do Harlem em Nova York, movimento de empoderamento que daria...

AfroNerd

Traficante confessa que matou Matheusa e explica como ocultou cadáver.

LGBT+

Madonna falou sobre defender a comunidade LGBT e a necessidade de amor. No GLAAD Media Awards também se celebrou a visibilidade LGBT.

Babados

Para Alaska ninguém tem o direito de se apropriar e lucrar em cima de dialeto drag e LGBT.

Propaganda

Portal de entretenimento sobre cultura pop: celebridades, música, cinema e muito mais.

Contato: draglicious@outlook.com

Draglicious 2020 © Todos os direitos reservados.